Dar ou não dar vacina?

campanha-vacina-polioEu nunca cogitei NÃO dar vacina no João. Antes de ser mãe, nem imaginava que algumas pessoas poderiam ser contra a prática. Até tento compreender os motivos pelos quais algumas famílias optam por não vacinarem suas crianças, mas, quando algumas coisas acontecem, esqueço todos os argumentos minimamente plausíveis.

O acontecimento: enteado ficou doente há algumas semanas. Passou 10 dias em isolamento total porque estava com suspeita de coqueluche. Além dele, outras dezenas de crianças no mesmo hospital estavam na mesma situação. Coqueluche, gente… Doença que tem vacina, mas está numa crescente desde 2010. No fim, ele não tinha nada. As outras crianças, sim.

Aí, hoje a Folha de São Paulo publica a seguinte matéria: Pais contrários a vacinação preocupam médicos no país. Nela, as repórteres contam que duas irmãs pegaram a (mesma) coqueluche, sendo que nenhuma delas recebeu a prevenção. A mãe afirma que não dá vacina por medo das filhas desenvolverem alguma doença hereditária. Não entendi.

Gente, eu sei o quanto os veículos podem deturpar informações, manipular entrevistas, etc. Sei também que todo mundo tem direito de criar seus filhos como quiser. Mas, se você ainda tem dúvidas sobre dar ou não vacina no seu bebê, os dados estão aí.

vacinas-infografico-folha

Clique para ampliar

O leite em pó, a Pais e Filhos e o desserviço

Eu estou enojada, com as mãos geladas e o coração disparado. Tá difícil viver nesse mundo.

Gostaria, por favor, que vocês lessem esse texto:

bebe-chorando

Há um ano: Leite em pó
A tal moda de amamentar está me dando fome… E todos os adultos achando que tô chorando por cólica

Estou deixando minha mãe meio apavorada. É porque eu choro muito. E ela continua não entendendo. Vou contar a verdade: Minha mãe está com pouco leite… Acontece nas melhores famílias. Mas como eu nasci no século 21 – em uma família que pode ir ao supermercado – existe uma solução incrível chamada LEITE EM PÓ. Os cientistas – são os homens que inventam as coisas novas – conseguiram inventar um leite bem parecido ao leite da minha mãe, é uma maravilha.

O problema é o de sempre: minha mãe não me ouve. Ela fica achando que eu tô chorando de cólica, e eu tô chorando de fome! Cólica é uma coisa que eles dizem para todos os problemas que a gente tem. Quando não sabe o que é, é só dizer que é cólica! Mas pra vocês entenderem a cólica e o leite em pó vou ter que falar de outro assunto.

Aqui na Terra tem uma coisa chamada “moda”. Todo mundo se influencia por ela. A moda faz as pessoas mudarem de ideia e acreditarem no extremo oposto do que acreditavam antes. É assim, dependendo da moda você logo muda de idéia. A moda depende do lugar, da época e não sei mais do quê, mas serve pra tudo: eu já vi para comida, roupa, educação. Isso só em três semanas, então é seguro que sirva pra mais coisa.

Tô dizendo isso porque aqui onde nasci, no Brasil, está super na moda amamentar! Então a maravilhosa invenção do leite em pó anda malvista… E nem passa pela cabeça da minha mãe – que, infelizmente, se influencia pelo o que pensa a maioria – que eu seria muito mais feliz se ganhasse, depois do peito, um pouquinho de leite em pó.

Tem uma senhora muito simpática que vem quase todo dia aqui em casa. Ainda não entendi porque ela passa tanto tempo aqui – e ninguém me explicou. O nome dela é Maria. Uma visita diferente porque as outras visitam costumam ficar paradas e ela fica de um lado pro outro levando coisas, arrumando, limpando. De vez em quando, ela fala para alguém: “Ah, se a mãe dela saísse um pouquinho, eu bem que dava uma mamadeira bem grande, aposto que esse bebê está chorando de fome”. A Maria, que não liga pra moda, tem boa intuição. Mas nada da minha mamãe sair de casa…

É o problema de sempre… Os adultos basicamente só entendem as palavras. No resto da comunicação eles não vão muito bem.

Ai que fome, quero mais leite e o da minha mãe já acabou… É difícil mesmo essa vida na Terra…

tumblr_llzc5kTzTW1qgldsjo1_400

WTF?

Essa BOSTA foi postada no site da Revista Pais & Filhos. E é claro que eu não vou dar o link (porque é audiência que eles querem) (porque eles já tiraram o post do ar). Mas eu garanto que, ao lado desse artigo, tinha uma propaganda lindinha e colorida de leite em pó rodando e piscando aos olhos de quem quisesse ver (se foi coincidência ou só uma infelicidade, nunca saberemos).

Tem desserviço maior que esse?

Eu nem vou entrar no mérito dos benefícios do leite materno. Todos vocês sabem. Também não vou ficar discutindo esse lance de “moda”. Amamentar nunca foi “moda” nem nunca será. Leite em pó é uma evolução? Claro que é!

Quem me acompanha por aqui nestes 5 anos de blog, sabe que eu tive uma depressão pós-parto fudida. Cada vez que o João vinha mamar, eu queria jogá-lo pela janela (de verdade). Foram os 15 dias mais longos da minha vida. Precisei, sim, das fórmulas. E ainda bem que elas existem. Mas, mano… Juro que tô em choque.

Porém, um tema como esse precisa ser tratado com todo o cuidado pelos veículos de comunicação. Se esse conteúdo tivesse passado pelas mãos das editoras e elas tivessem refletido sobre os seus riscos, duvido que tivesse sido publicado. Será que alguém leu antes? Será que leram e a intenção era gerar polêmica? E gerar polêmica a que custo? Será que foi conteúdo publicitário disfarçado de texto? As teorias conspiratórias não param de pipocar.

É por essas e outras que eu fui desistindo de trabalhar em redação…

Mães, amamentem sempre que possível. E não se culpem se não puderem, tá?! Tem amor no coração pra todo mundo.

Laringite

Joãozinho pegou uma laringite chata. Tudo começou na semana passada, quando ele ficou resfriadinho. Durante o carnaval, ele foi viajar para a praia com o Papai (de novo, hehehe) e brincou um montão com o Pedro, amiguinho que estava meio doentinho e hoje sabemos que está com pneumonia. Enquanto isso, Mamãe viajava. Pronto: baixa resistência + outra criança doente + saudade da mamãe = João doentinho!

Não sei se o filho de vocês já teve laringite, mas eu tive muuuuuito quando eu era criança e era horrível. Voz rouca, chiado na garganta, coriza, dor nos gânglios do pescoço, sabe? Ficava direeeeto no vapor do chuveiro para respirar melhor.

Como já faz um tempo que a gente trata a saúde dele com homeopatia e eu já tinha uma consulta marcada com a pediatra logo depois do carnaval (graças a Deus), corremos pra lá! Diagnóstico (que eu já sabia – instinto materno + conhecimento de causa): laringite.

O que é a laringite: é a inflamação do laringe, onde estão as cordas vocais. Pode ser sintoma de resfriado, bronquite ou até pneumonia (ai, Jesus).

Recomendações:
>> Gotinhas do Spongia Tosta que, segundo o site Outra Medicina, serve para “lubrificar a garganta e eliminar a característica secura da laringite”.
>> 1 envelopinho de Aires todos os dias. Ele é tipo o Fluimucil, sabe? De acordo com a bula, “é um medicamento que ajuda a eliminar as secreções produzidas nos pulmões, facilitando a respiração”.
>> Colar de álcool (putz, esse eu usava direto). Molha a fraldinha no álcool e amarra no pescoço para melhorar a rouquidão.

E assim, estamos: ele ainda teve febre na noite passada, mas hoje passou o dia ileso, brincou bastante, se cansou… Espero que amanhã também não tenha febre e que fique bem. A médica disse que, em uma semana, ele melhora. Uma semana? Muito tempo para uma mãe, não?

Beijos, @fabianafaria